Escuridão Bonita

ESCURIDÃO BONITA
[CICLO ALENTEJO]

UmColetivo

E se faltasse a luz?
Queremos contar uma história como as histórias são para ser contadas, com afetos.
O teatro é um lugar escurinho e mágico, com as luzes surpreendentes da imaginação a interromper a noite, aqui e ali, onde dizemos “era uma vez” e, depois, sonhamos todos juntos a história de um beijo.
A nossa história é muito cheia de cheirinhos e sabores e abraços indolores. É uma história que se faz muitas vezes, a pouco e pouco, com apenas vinte pessoas na sala.
Acontece como uma música longa e em segredo, que interrompe o coração, e por isso chamamos-lhe “Escuridão Bonita”.

Ondjaki (Angola) Prosador. Às vezes poeta. Licenciou-se em Sociologia e é membro da União de Escritores Angolanos. Interessa-se pela interpretação teatral e pela pintura (já fez duas exposições individuais, em Angola e no Brasil). Já em Lisboa, fez teatro amador durante dois anos e um curso profissional de interpretação teatral. Em 2000 recebeu a menção honrosa no prémio António Jacinto (Angola) pelo livro “Ato Sanguíneo”. Participou em antologias internacionais (Brasil e Uruguai) e também numa antologia portuguesa. Corealizou um documentário sobre a cidade de Luanda (“Oxalá Cresçam Pitangas – Histórias de Luanda”). Em 2013, com os Transparentes, ganhou o Prémio José Saramago.

Texto ONDJAKI
Conceito CÁTIA TERRINCA e JOÃO P. NUNES
Interpretação CÁTIA TERRINCA
Sonoplastia e Música ao Vivo JOÃO FILIPE
Técnica, Design e Fotografia JOÃO P. NUNES
Produção MÁRCIA CONCEIÇÃO / UMCOLETIVO – ASSOCIAÇÃO CULTURAL

Cátia Terrinca (Portugal/Cabo Verde, 1990), dramaturga, atriz e formadora, estudou na Escola Superior de Teatro e Cinema e na Real Escuela Superior de Arte Dramático, de Madrid. Fundou a UMCOLETIVO, estrutura que dirige desde 2013 e trabalha como freelancer com estruturas como o Teatro Nacional D.Maria II,  Companhia de Teatro de Almada, Teatro da Garagem, entre outros. Representou Portugal em festivais de teatro como Fringe Madrid, Mindelact, Inund’art.

João P. Nunes (Portugal, 1990), cineasta formado pela National Film and Television School, em Londres, pela Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias e pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Assinou “Pela Boca Morre o Peixe” (Grande Prémio Motelx — Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa) e “Do Céu Já Não Caem Lágrimas” (Prémio de melhor filme no 48h Film Project Castelo Branco e Seleção Oficial do Filmapalooza 2015 Los Angeles), entre outros.

João Filipe (Portugal, 1994), mestrando em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, pelo Instituto Superior Técnico de Lisboa. Trabalha como compositor, músico e sonoplasta freelancer em projetos de teatro, cinema e música. Fundador do projeto conceptual de Rock Progressivo Amber Foil. Compositor e produtor das bandas sonoras em “Do Céu Já Não Caem Lágrimas” (Prémio de Melhor Banda Sonora no 48h Film Project – Castelo Branco) e “Ninho”, de João P. Nunes. Músico e sonoplasta ao vivo em várias performances de teatro.

UMCOLETIVO é uma associação cultural, fundada em 2013, que desenvolve atividades no âmbito da criação artística, tendo como eixos essenciais o teatro, a performance e a palavra- onde transversalmente se encontra uma ideia de reescrita, de tempo real e de voz.
A estrutura desenvolve uma forte relação com Elvas, local onde está sediada e território de implementação da maioria das atividades.
A relação com o território e com as suas características específicas – a sua condição marginal face aos grandes centros urbanos, a sua condição fronteiriça e a utilização quotidiana de duas línguas distintas: o português e o castelhano – determinam a sua programação e refletem a intenção de experimentar e esbater fronteiras em diferentes áreas artísticas, explorando a criação de objetos interdisciplinares.
Uma programação baseada na ideia de construção de vias de reciprocidade artística e afetiva, dentro do território e entre territórios, é estruturante no desenvolvimento de uma estratégia de formação de públicos e na programação regular em Elvas e da programação do Festival A Salto – Tomada Artística da Cidade de Elvas.

TEATRO | EM FAMÍLIA

2020 | MAR 01

DOM – 11H00

BLACK BOX

8€ [ADULTO] 6€ [<12 ANOS]  | DESCONTOS APLICÁVEIS
6€ [PREÇO ÚNICO SESSÕES ESCOLARES]

45 MINUTOS

M/6

PARTILHAR