Guloseimas

GULOSEIMAS

Teatro Bastardo

O espetáculo parte de um texto do dramaturgo brasileiro João Fábio Cabral, um dos maiores nomes no panorama da nova dramaturgia brasileira. “Guloseimas” faz parte de um livro seu – “Cinzeiro” -, composto por outras 16 peças de teatro e publicado pela nVersos Editora em 2013. Este pequeno texto seduz, desde logo, pela sua artimanha de enredo, pelo jogo astuto da linguagem, pelas inspirações urbanas e pelo ritmo cavalgante com que as personagens atravessam toda a ação dentro de uma pequena loja de doces. O pretexto é simples e parece inocente: Zeca entra na loja de Maria para comprar gomas, mas… já não há! Termina tão rápido como começa e no fim caímos vertiginosamente na armadilha, no alçapão. A violência, a ilusão da imagem e das palavras que nos enganam e subvertem as expectativas. “Guloseimas” é uma peça de teatro contemporâneo que nos sobressalta e choca, que desassossega o quotidiano e nos confronta com o inesperado.

Nas “Guloseimas” o texto é debitado pelas personagens a uma velocidade e ritmos alucinantes, com silêncios e sons que vão acompanhando a queda vertiginosa de Zeca no abismo dos seres mais execráveis e do Homem. 

No texto de João Fábio Cabral é retumbante a velocidade com que tudo acontece, a dimensão de sonho que habita a loja e as personagens que parecem do mundo da fantasia; usam uma linguagem agressiva, de humor negro e sem filtros, onde as bocas são metralhadoras que disparam implacavelmente. E quando a bala te atinge, acordas do pesadelo em sobressalto. Um verdadeiro teatro de guerra que nos destabiliza o inconsciente, que é surrealista e psicadélico – ao mesmo tempo que apresenta o céu, ameaça com o inferno mais obscuro e perverso. É neste universo ambíguo de personagens provocadoras e cruéis, cómicas e sensíveis, que vamos descortinando a verdadeira história por detrás do balcão da loja de doces. O público entra com Zeca num carrossel de emoções e de chantagens até alguém acabar por finalmente confessar os seus pecados.

Texto JOÃO FÁBIO CABRAL
Direção GONÇALO BOTELHO
Interpretação FRANCISCO PEREIRA DE ALMEIDA, GONÇALO EGITO, MIGUEL GALAMBA E ROGÉRIO VALE
Música e Espaço Sonoro MIGUEL GALAMBA
Desenho de Luz PAULO GRAÇA e ROGÉRIO VALE
Figurinos FRANCISCO SAMPAIO
Assistência de Figurinos Beatriz Mestre Costa
Maquilhagem RITA MADEIRA
Cenografia TEATRO BASTARDO
Produção TEATRO BASTARDO
Estrutura apoiada por OEIRAS VALLEY – MUNICÍPIO DE OEIRAS

 

JOÃO FÁBIO CABRAL é considerado pela crítica especializada um dos grandes nomes da nova dramaturgia brasileira. É autor de mais de 50 peças de teatro, sendo que mais de 20 já foram encenadas. É ator formado pela Escola de Teatro Ewerton de Castro e participou em vários espetáculos na cidade de São Paulo. Cofundador da Amesma Companhia de Investigação Teatral e, com os amigos Rogério Harmitt e Fabiana Carlucci, criou a Companhia Em Nome das Coisas Boas.

GONÇALO BOTELHO (1995) realizou o curso profissional de Teatro na Escola Secundária D. Pedro V (estágio na Comuna – Teatro de Pesquisa), em 2014, tendo iniciado a licenciatura em Teatro/Atores pela ESTC no mesmo ano. Destaao na sua formação ainda a Oficina Teatral com João Mota, o workshop de Criação em Tempo Real com João Fiadeiro, a master class de Comédia Dell’Arte com António Fava e o curso Consciência do Ator em Cena com João Brites no Teatro O Bando. Desde 2013, com o espetáculo “À Vossa Vontade”, encenado por Álvaro Correia no Teatro Nacional D. Maria II, que integra o elenco dos espetáculos da Comuna – Teatro de Pesquisa, dirigidos por João Mota. Em março de 2021 integrou o elenco do espetáculo “Hedda Gabler”, encenado por Bernardo Beja no espaço da CPBC e no Centro de Artes e Espetáculo da Figueira da Foz. Encenou o espetáculo “Replay Otelo” em 2019 e “Guloseimas” em 2021. Em cinema participou em “Soldado Milhões”, por Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa e, em televisão, integrou os elencos de várias telenovelas, telefilmes e séries.

FRANCISCO PEREIRA DE ALMEIDA (1996) começou o seu percurso académico no Liceu Passos Manuel no Curso Profissional de Artes do Espetáculo – Interpretação (2011-2014) e concluiu a licenciatura em Teatro, ramo Atores, na ESTC em 2019. Destaca ainda na sua formação a Oficina Teatral com João Mota e o workshop de Oralidade com Miguel Loureiro. Estreou-se profissionalmente em 2015 na companhia de Teatro infantil ContraPalco. Durante 2016 realizou o espetáculo “Henrique IV”, de Luigi Pirandello no Teatro da Comuna, encenado por João Mota e “Je Suis Werther”, da Companhia Casa Cheia, encenado por Miguel Mateus. Ainda com a Casa Cheia destaca os espectáculos “Replay Otelo”, “Num Dia Igual Aos Outros”, “Gentes de Lá” e “Muzeum – Teatro Imersivo”. Em março de 2021 integrou o elenco do espetáculo “Hedda Gabler”, encenado por Bernardo Beja no espaço da CPBC e no Centro de Artes e Espetáculo da Figueira da Foz e em junho do mesmo ano participou no espetáculo “Guloseimas”, de João Fábio Cabral, encenado por Gonçalo Botelho no Teatro Taborda.

GONÇALO EGITO (1996) iniciou a sua formação teatral na Escola Secundária D. Pedro V no curso profissional de Artes do Espetáculo. É licenciado pela ESTC no curso de Teatro – ramo Atores. Profissionalmente estrou-se em 2017 com os Artistas Unidos no espetáculo “Na Margem de Lá”, de Jorge Silva Melo no Teatro Nacional D. Maria II. Foi ator estagiário do TNDM na temporada de 2017/2018 e é presença assídua nos espetáculos para a infância da encenadora Catarina Requeijo. Recentemente integrou o elenco dos espetáculos “Could Be Worse”, da Cão Solteiro & André Godinho, e “Guloseimas”, de João Fábio Cabral, encenado por Gonçalo Botelho, trabalhos onde foi também coreógrafo. Durante o ano de 2021 colaborou como Drag Queen com a empresa Drag Taste. Em cinema participou no filme “A Casa”, realizado por Rui Simões. É dançarino federado de danças de salão.

MIGUEL GALAMBA (1997) fez o 5º grau de Violoncelo na EMCN e o curso profissional de Artes do Espetáculo na Escola Secundária D. Pedro V. Licenciou-se no Ramo de Atores, na ESTC. Trabalhou com os encenadores John Romão, Caroline Bergeron e Catarina Santana (Companhia de Ópera do Castelo), António Simão, Pedro Carraca e Jorge Silva Melo (Artistas Unidos), Carlos Gouveia Melo, João Fábio Cabral, João Cachola (As Crianças Loucas) e Sílvio Vieira. Encenou a peça “Os Melhores Infelizes”, de Judite Canha Fernandes e compôs/interpretou a banda sonora da peça “Replay Otelo”, encenada por Gonçalo Botelho (Casa Cheia). Em 2021 participou no espetáculo “Guloseimas”, de João Fábio Cabral, encenado por Gonçalo Botelho. Integrou o elenco adicional d’”A Herdeira”, TVI.

ROGÉRIO VALE (1995) iniciou os seus estudos como ator na Escola Secundária D. Pedro V, no curso profissional de Artes do Espetáculo, onde concluiu o 12º ano com o estágio realizado na Comuna – Teatro de Pesquisa. Atualmente frequenta o 3° ano da Escola Superior de Teatro e Cinema no ramo de Teatro/Atores. Estreou-se em 2013, no espetáculo da Comuna encenado por Álvaro Correia, “À Vossa Vontade”, em coprodução com o Teatro Nacional D. Maria II. Desde então trabalhou com a Comuna em inúmeras produções enquanto ator e operador de espetáculos, sendo dirigido por João Mota e Hugo Franco. Em Cinema participou no filme “Vermelho Monet”, de Halder Gomes. 

TEATRO BASTARDO é uma Associação Cultural sem fins lucrativos que está, desde 2019, no Concelho de Oeiras e tem vindo a pensar projetos que pretendem integrar o teatro na vida da comunidade, acrescentando-lhe valor artístico e contribuindo para o seu desenvolvimento social. Ao longo do ano de 2020 criou o drama online em três atos – “Providentia” -, inserido no âmbito de uma bolsa de criação do Teatro Nacional 21. Simultaneamente desenvolveu um projeto social com a Associação Coração Amarelo, “(Des)enquadrado”. Em 2021 deu início ao seu projeto de poesia e de poetas: foi através das palavras e vida de Natália Correia que estreou “EntreVersos” em abril de 2021 no Teatro Passagem de Nível. O primeiro espetáculo da companhia em palco foi “Guloseimas”, um texto de João Fábio Cabral com direção de Gonçalo Botelho, e que estreou a 23 de julho no festival Try Better, Fail Better’21, no Teatro Taborda, em Lisboa, no âmbito da bolsa de apoio a novos criadores – open call do Teatro da Garagem. No dia 21 de setembro de 2021 inaugurou a instalação fotográfica do projcto “(Des)enquadrado” no Palácio dos Aciprestes da Fundação Marquês de Pombal, em Linda-a-Velha. A instalação fotográfica também passou pela Universidade Sénior de Carnaxide e pelo Instituto Condessa de Cuba – Associação Resgate, em Porto Salvo. Em junho de 2022, no Dia Mundial da Criança, o Teatro Bastardo estreia o seu primeiro espetáculo para a infância – “Meus Amigos Monstros” -, com texto original de Daniel Alexandre e direção de Francisco Pereira de Almeida.

©Fotografia FILIPE FERREIRA

TEATRO

2O22 | JUL O7 a 17

QUA a SÁB – 21HOO
DOM – 17HOO

SALA EXPERIMENTAL

10€ | PREÇO ÚNICO

5O MINUTOS

M/16

PARTILHAR