Masterclass exploração dramatúrgica

MASTERCLASS EXPLORAÇÃO DRAMATÚRGICA DO ESPAÇO PÚBLICO E CRUZAMENTOS DISCIPLINARES

A exploração dramatúrgica do espaço público reveste-se de características distintivas do convencional palco. O conhecimento do local, das pessoas e dos hábitos reveste-se de especial importância no sucesso de uma criação artística neste contexto. Por outro lado, as abordagens multidisciplinares e a inovação criativa conquistam atualmente um espaço cada vez maior na atenção dos criadores. Marine Thévenet explora, a partir da visão da FAI-AR, um módulo formativo especificamente pensado para o contexto português, potenciador de novas abordagens na criação artística para o espaço público.

Público-alvo: Artistas emergentes e produtores com especial foco na intervenção artística no espaço público

Marine Thévenet trabalha como produtora e consultora independente no contexto da criação artística para o espaço público. É responsável pelas relações internacionais do festival Les Tombées de la Nuit (Rennes, FR) e curadora para a IN SITU Network. Colabora em diversos projetos internacionais de cooperação e formação. Foi responsável de parcerias artística da L’Amicale de production (Lille, FR), curadora do Festival International des Arts de Bordeaux-Métropole (FR) e produtora no Artsadmin (Londres, UK).

A FAI-AR nasce do movimento artístico das artes de rua que se desenvolveu em França a partir da década de 1970. É atualmente a única formação artística do mundo dedicada exclusivamente à dramaturgia da criação artística para o espaço público. O artista, diretor e cenógrafo urbano Michel Crespin foi o fundador e impulsionador do projeto. Como um laboratório de pesquisa e criação, a FAIAR não tem uma definição predeterminada do que as artes de rua são ou deveriam ser. Não é uma academia nem um conservatório: não ensina materiais gravados em mármore, mas transmite ferramentas, técnicas, conhecimentos adquiridos através de sua prática pelos próprios artistas através de investigação e reflexão. Não impõe formas e estéticas, não “forma”. Cabe aos artistas, cuja emancipação acompanha, escrever o épico sensível e poético que se desenrola na era digital no coração das cidades, paisagens e territórios.

OFICINA

2021 | JUN 08

TER – 10H30 às 19H00

15€ [PREÇO ÚNICO]

Inscrições até 02 de Junho 

Idioma: Inglês
Duração: 7H00
Público-alvo: M/16
Lotação máxima: 15 participantes
Formadores: Marine Thévenet, FAI-AR [FR]

PARTILHAR