Autópsia

AUTÓPSIA

de OLGA RORIZ

“Tudo o que amamos está prestes a morrer.
Está sempre tudo prestes a morrer.
A aflição vem em ondas de dor e de luto.
Lá onde o corpo fica excluído da compreensão, restam os lugares abandonados. Lugares de memória abertos a outros acontecimentos. Lugares de mutação à espera de uma transformada existência.
E depois da avalanche como tudo é tão frágil!
Tudo está aí à nossa frente, mas, no entanto, há histórias que não estão escritas em lado nenhum. Coisas de nada… Singularidades frustradas.
Dissecar o mau estar de cada um de nós. Matar cada um de nós. Autopsiarmo-nos.
A repetição… a repetição… a repetição… sem fim como as ondas, como a vida e a morte ou o nascimento e a morte, o dia e a noite…
As dores…”

Olga Roriz
Janeiro de 2019

 

Direção: OLGA RORIZ
Interpretação: ANDRÉ DE CAMPOS, BEATRIZ DIAS, BRUNO ALVES, CATARINA CÂMARA, MARTA LOBATO FARIA e YONEL SERRANO
Conceção da Banda Sonora: JOÃO RAPOZO
Seleção Musical: OLGA RORIZ, JOÃO RAPOZO e BRUNO ALEXANDRE
Música de: ACID ARAB, CHRISTIAN FEENESZ, DIRTY BEACHES, JÓHANNSSON, KANGDING RAY, ERNST REIJSEGER, BEM FROST, SUNN O))), COLIN STETSON e SARAH NEUFELD
Cenografia e Figurinos: OLGA RORIZ e ANA VAZ
Desenho de Luz: CRISTINA PIEDADE
Conceção Vídeo: OLGA RORIZ e JOÃO RAPOZO
Equipa Captação Vídeo: HENRIQUE PINA E LEE FUZETA
Pós-produção Vídeo: JOÃO RAPOZO
Assistência à Criação: BRUNO ALEXANDRE
Assistência à Cenografia: MIGUEL JUSTINO
Estagiárias Assistentes Ensaios: ANDREIA SERRADA, CATARINA CAMACHO e MARTA JARDIM
Montagem e Operação Luz e Vídeo: JOÃO CHICÓ / CONTRAPESO
Montagem e Operação Som: PONTOZURCA

COMPANHIA OLGA RORIZ
Direção: OLGA RORIZ
Produção e Digressões: ANTÓNIO QUADROS FERRO
Assistente de produção: RICARDO DOMINGOS
Gestão: MAGDA BULL
FOR Dance Theatre e Residências: LINA DUARTE

Olga Roriz
Natural de Viana do Castelo, teve como formação artística na área da Dança o curso da Escola de Dança do Teatro Nacional de S. Carlos com Ana Ivanova e o curso da Escola de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa. Em 1976 integrou o elenco do Ballet Gulbenkian sob a direção de Jorge Salavisa, permanecendo até 1992 onde foi primeira bailarina e coreógrafa principal. Em maio de 1992 assumiu a direção artística da Companhia de Dança de Lisboa e em fevereiro de 1995 fundou a Companhia Olga Roriz, da qual é diretora e coreógrafa. O seu reportório na área da dança, teatro e vídeo é constituído por mais de 90 obras, onde se destacam as peças “Treze Gestos de um Corpo”, “Isolda”, “Casta Diva”, “Pedro e Inês”, “Paraíso”, “Electra”, “Nortada” e “A Sagração da Primavera”. Criou e remontou peças para um vasto número de Companhias nacionais e estrangeiras, entre elas o Ballet Gulbenkian e Companhia Nacional de Bailado (Portugal), Ballet Teatro Guaira (Brasil), Ballets de Monte Carlo (Mónaco), Ballet Nacional de Espanha, English National Ballet (Inglaterra), American Reportory Ballet (E.U.A.), Maggio Danza e Alla Scala (Itália). Internacionalmente os seus trabalhos foram apresentados nas principais capitais Europeias, assim como nos E.U.A., Brasil, Japão, Egito, Cabo Verde, Senegal e Tailândia. Tem um vasto percurso de criação de movimento para o Teatro e Ópera e na área do Cinema realizou três filmes, “Felicitações Madame”, “A Sesta” e “Interiores”. Várias das suas obras estão editadas em DVD pela produtora Real Ficção, realizadas por Rui Simões.  Uma extensa biografia sobre a sua vida e obra foi editada em 2006 pela Assírio&Alvim com texto de Mónica Guerreiro. Desde 1982 Olga Roriz é distinguida com relevantes prémios nacionais e estrangeiros. Entre eles destacam-se o 1º Prémio do Concurso de Dança de Osaka, Japão (1988), Prémio da melhor coreografia da Revista Londrina Time-Out (1993), Prémio Almada (2004), Condecoração com a insígnia da Ordem do Infante D. Henrique – Grande Oficial pelo Presidente da República (2004), Grande Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores e Milleniumbcp (2008), Prémio da Latinidade (2012), distinção com o Prémio Mulheres Mais Influente de Portugal (2016), pela revista EXECUTIVA e Prémio SPA (2018) para melhor coreografia de 2017 com a peça “Síndrome”. Foi-lhe atribuído em dezembro de 2017 pela Universidade de Aveiro, o Doutoramento Honoris Causa por distinção nas Artes.

Companhia Olga Roriz
Fundada em 1995 com o apoio financeiro do Ministério da Cultura e dirigida pela coreógrafa Olga Roriz, tem sido ao longo destes 22 anos uma referência de qualidade profissional e artística no panorama nacional e internacional da dança contemporânea portuguesa. A Companhia Olga Roriz caracteriza-se e diferencia-se pelo facto de ser uma companhia de autor que criou uma vasta obra com um perfil e estilo próprios. Todas as produções são o resultado de um intenso processo criativo, de investigação, partilha e reflexão. Esta Companhia tem apresentado as suas produções em todos os espaços culturais de referência nacionais. Internacionalmente já atuou em Cabo Verde, França, Itália, Alemanha, Polónia, Brasil, Espanha, Checoslováquia, EUA, Macau, Coreia do Sul, Moçambique e Tailândia. Mais recentemente, a peça “Síndrome” foi distinguida com o prémio de Melhor Coreografia 2017, pela Sociedade Portuguesa de Autores.

DANÇA

ABR 29

QUI – 21H3O 

AUDITÓRIO

13€ | DESCONTOS APLICÁVEIS

80 MINUTOS

M/14

PARTILHAR