Amigos Imaginários

AMIGOS IMAGINÁRIOS

de Rita Barbosa

Amigos Imaginários é um filme-performance no qual o público é convidado a assistir à projeção de um filme, em fase de montagem, que é sonorizado ao vivo num estúdio de “foley”*. Uma especulação sobre o que poderá ser o cinema, tirando partido de um dos artifícios mais ullizados para a construção da ilusão da verdade. O filme propõe desiludir o espetador, impedindo que este se esqueça da irrealidade e dos truques da magia do cinema, ao fazer crer que tudo é verdade. Um realizador diletante e três performers não-profissionais do “foley” fazem do filme uma partitura. Enquanto o gesto dos performers procura de forma literal e obsessiva os ruídos que mexem com as coisas e com os seres do filme, o que vemos é o desmantelar da ilusão, pondo a nu os mecanismos da mentira. O realizador aproveita-se da oportunidade para jogar com as possibilidades, fazendo experiências com narrações, que oscilam entre o mundo contado em pequenas e lúdicas histórias e o mundo comentado em desabafos de um montador inquieto. A natureza das imagens e dos sons é construída a partir de uma coleção de anotações, entre o diário e o ficcional, num contraponto entre imagem-filme e imagem-performance. Como num espaço neo-cubista, a verdade é libertada de um automatismo percetivo, abrindo caminho ao acaso e evocando fantasmas – os amigos imaginários.

*Foley (ou bruitage) é uma técnica de criação de efeitos sonoros gravados em estúdio, onde sons de passos, portas a fechar, trovões, etc., são reproduzidos por sonoplastas em sincronia com o filme, com o objetivo de conferir mais realismo às cenas.

Realização e Direção Artística RITA BARBOSA
Design de Som RUI LIMA E SÉRGIO MARTINS, COM A PARTICIPAÇÃO DE JONATHAN SALDANHA
Performance RUI LIMA, SÉRGIO MARTINS E DANIEL PIZAMIGLIO
Produção HENRIQUE FIGUEIREDO
Técnico de Som JOÃO PRATAS
Direção de Cena HELENA RIBEIRO
Desenho de Luz MÁRIO BESSA
Técnico de Luz TERESA ANTUNES
Cartaz e Design Gráfico DAYANA LUCAS E PEDRO NORA
Direção de Fotografia JORGE QUINTELA
1º Assistente de Imagem MIGUEL ÂNGELO
2º Assistente de Imagem BRUNO MEDEIROS
Montagem RITA BARBOSA
Colorista NUNO GARCIA – SPECTACULAR STUDIO
Fotografia de Cena ALÍPIO PADILHA
Apoio Financeiro CÂMARA MUNICIPAL DO PORTO/ CRIATÓRIO , SPA, AGECOP
Apoio TAKE IT EASY, PLANAR, TEATRO DO BOLHÃO, CIRCOLANDO, MALA VOADORA, SPECTACULAR STUDIO
Residência de Coprodução O ESPAÇO DO TEMPO
Agradecimentos ÓPERA ISTO ASSOCIAÇÃO, HOTEL VILA GALÉ PORTO, EPES – ESCOLA PROFISSIONAL DE ECONOMIA SOCIAL, FUNDAÇÃO ESCULTOR JOSÉ RODRIGUES, LIPOR, ASSOCIAÇÃO DE COMANDOS, ANA CAROCINHO, ANA PAULA SOUSA, ANTÓNIO SELAS, BRUNO BOGARIM, CLÁUDIA SANTOS, DAYANA LUCAS, DANIEL OLIVEIRA, DANIEL RIBAS, EKATERINA SOLOMINA, FILIPE PUREZA, FRANCISCO ALVES, JANINE LAMAS, JOANA DILÃO, JOÃO PEDRO DIAS, JOAQUIM FERNANDES, JORGE GARCIA, JOSÉ MANUEL CASTRO, MARIA VARELA, MARIANA DIXE, MIGUEL GUIA, NANICA, NUNO GARCIA, PAULA MARQUES, PATRÍCIA CARVALHO, PEDRO BARREIRAS, PEDRO NORA, PEDRO NUÑES, RUI HORTA, SOFIA ARRISCADO, SUSANA PICANÇO

Rita Barbosa é realizadora e artista visual. Licenciada em Artes Digitais, no curso de Som e Imagem da UCP (2002). Escreveu e realizou a curta metragem “À Noite Fazem-se Amigos”, produzida por O Som e a Fúria, com estreia internacional no 69º Festival de Locarno. Escreveu, realizou e encenou o filme-performance “Amigos Imaginários”, apresentado no Festival Temps D’Images e no Rivoli, em 2019. É realizadora de anúncios publicitários na produtora el-Hey. Na área do teatro, dança e performance colaborou na criação, conceção visual, vídeo e cenografia de vários projetos, entre eles: “Três Dedos Abaixo do Joelho”, de Tiago Rodrigues; “Sabotagem”, de Lígia Soares e Miguel Castro Caldas; “O Esplêndido”, de Andresa Soares. Realizou vídeos experimentais como “Get Bent”, “Pop Fish”, apresentados em exposições e festivais como Fundação Cartier, Impakt e Courlsane.

Daniel Pizamiglio (Fortaleza, Brasil) é performer e coreógrafo. Tem formação no Brasil e em Portugal em composição, dança e performance. Entre 2015 e 2016 concluiu o Programa de Estudo, Pesquisa e Criação Coreográfica (PEPCC) do Fórum Dança (Lisboa). Desde 2012 vive e trabalha em Lisboa, onde já colaborou com diferentes artistas e coreógrafos, tais como Cláudia Dias, Crislna Maldonado, Calos Manuel Oliveira, Inês Cartaxo, Leonardo Mouramateus, Liedewij van Eijk, Sílvia Pinto Coelho e Tamara Cubas. Como intérprete destaca o trabalho com João Fiadeiro na teoria e prática da Composição em Tempo Real e na peça “O que fazer daqui para trás” (2015) e com João dos Santos Martins nas peças “Projecto Conlnuado” (2015) e “Companhia” (2018). Atualmente tem prevista a criação de uma conferência-performance com Romain Teule e uma colaboração no projeto “Entre Cães e Lobos” de Gustavo Ciríaco. Do seu trabalho autoral como coreógrafo destaca o seu úllmo solo “Dança Concreta” (2016).

Rui Lima nasceu em 1981. É licenciado em Design de Luz e Som pela ESMAE, onde atualmente leciona. Paralelamente e em colaboração com Sérgio Martins tem participado como compositor musical em espectáculos de artes performativas e vídeo-dança cujos encenadores se destacam: Joana Providência, Paulo Calatré, Inês Vicente, Alfredo Martins, Júnior Sampaio, João Garcia Miguel, Ana Luena (Teatro Bruto), Jorge Andrade (Mala Voadora), Cristina Carvalhal, Rita Lello, Andresa Soares, Victor Hugo Pontes, Nuno Cardoso, Miira Sippola e Marco da Silva Ferreira. Apresentou o seu trabalho em países como Portugal, Espanha, França, Alemanha, Israel, Macedónia, Finlândia, Brasil e Rússia. Como músico/performer participou em diversos projetos experimentais, sendo atualmente membro dos projetos musicais Wet Thatcher e Ekco Deck. Em cinema fez a banda sonora original para o filme “Veneno Cura” (2007) dirigido por Raquel Freire e as curta-metragens “Aussleg” (2010) e “Sobre El Cielo” (2015) dirigidas por Jorge Quintela.

Sérgio Martins nasceu em 1982. Completou o curso de Guitarra Clássica no Conservatório de Música do Porto e está atualmente a terminar o curso de Música Eletrónica e Produção Musical na Escola Superior de Artes Aplicadas em Castelo Branco com orientação de Carlos Guedes, Mário Barreiros, Rui Dias, Gustavo Costa entre outros. Simultaneamente, e em colaboração com Rui Lima, trabalha desde 2001 como compositor musical para artes performativas, vídeo-dança, cinema e música para publicidade, tendo trabalhado com encenadores e coreógrafos como Joana Providência, Paulo Calatré, Inês Vicente, Alfredo Martins, Júnior Sampaio, João Garcia Miguel, Ana Luena (Teatro Bruto), Jorge Andrade (Mala Voadora), Cristina Carvalhal, Rita Lello, Andresa Soares, Victor Hugo Pontes, Nuno Cardoso e Miira Sippola. Apresentou trabalhos em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, Israel, Macedónia, Macau, Finlândia, Brasil, Polónia e Rússia. No cinema, compôs a banda sonora para o filme “Veneno Cura” (2007) realizado por Raquel Freire e as curta-metragens “Aussleg” (2010), “O Amor é Solução Para a Falta de Argumento” (2011) e “Sobre EL cielo” (2015) realizados por Jorge Quintela.

CRUZAMENTOS
[CINEMA.PERFORMACE]

2021 | DEZ 04 e 05

SÁB – 21H00
DOM – 16H00

AUDITÓRIO

12€ [DESCONTOS APLICÁVEIS]

70 MINUTOS 

M/12

PARTILHAR